quarta-feira, 16 de setembro de 2009

VARRER O LIXO

Abro esta crónica com a questão que aqueceu o programa Provocações, na semana passada. Uma ouvinte não apreciou a maneira muito cordata como Jerónimo de Sousa se opôs a Sócrates. Na sua opinião, aquilo mais parecera uma conversa de amigos. Chegou a sugerir que, após o debate, teriam ido os dois beber um copo. Se bem percebi, quis dizer que esperava de Jerónimo de Sousa, em nome do povo que o PCP garante defender intransigentemente, uma atitude de justa indignação e necessária denúncia, confrontando Sócrates com todas as malfeitorias praticadas durante o seu governo. Como, seguramente, teria feito Álvaro Cunhal, disse essa ouvinte.

Esperaria ela que Jerónimo de Sousa, frente ao homem e ao político que agravou todos os problemas existentes em Portugal e que, pelo seu pendor para a trapaça e para a arrogância fez alastrar pelo país um sentimento de desmoralização e perda de valores éticos e democráticos, aproveitasse para, em nome dos portugueses desempregados ou sem salário digno, sem dinheiro para medicamentos, sem reformas decentes, sem condições para constituir família, por viverem de trabalhos precários, ou forçados a emigrar para terem rendimentos decentes – e chegam aos muitos milhões os portugueses nestas várias condições – ser o porta-voz desta gente vilipendiada pelo governo socialista, ser o rosto dos sem esperança, dos injustiçados, dos que já não sabem como vai ser o dia de amanhã, ou sabem que vai ser pior do que o de hoje.

Confesso que também era isso que eu esperava. Que Sócrates fosse posto a nu e confrontado com todas as suas políticas criminosas e – porque não? – com todas as trapalhadas em que esteve (e está) envolvido, impróprias de gente honrada, quer na esfera pública, quer na privada. Vi, há dias, o vídeo desse debate e reparei que Jerónimo foi muito político. Não fez ondas. Não encurralou o «animal feroz» – ou o Lobo Mau – que anda agora disfarçado de Capuchinho Vermelho.

Afinal, não há fome no país? Afinal, não morreu ninguém às portas de urgências fechadas ou à espera de socorro? Afinal, não passou a ser moda parir nas ambulâncias, ou ir parir a Espanha? Não florescem, agora, as clínicas privadas, precisamente nos sítios onde Sócrates mandou fechar maternidades, urgências e serviços de saúde públicos? Não morrem portugueses à espera de uma operação, especialmente centenas de doentes oncológicos? Não há falências em série e não asfixiam as pequenas e médias empresas? Afinal, não há instabilidade de emprego, e desemprego para muito mais de meio milhão de portugueses? E onde meteu Sócrates os mais 150 mil empregos? Afinal, não aumentou a criminalidade e a insegurança? Afinal, a corrupção não se tornou um modo de vida, especialmente ao nível das várias estruturas do poder, enchendo os bolsos dos corruptos e os sacos azuis dos partidos, e a grande roubalheira, de colarinho branco, não é compensada com milhões de euros pagos por nós? Então, não nos afastámos mais da média europeia e não aumentou o fosso entre ricos e pobres? Então, com Sócrates, não passaram os patrões a fazer gato-sapato dos trabalhadores, com um Código do Trabalho pior do que aquele que Bagão Félix cozinhou – e que nem Salazar alguma vez se atreveu a imaginar? Então, não está a pata do PS a esmagar a liberdade de informação, comprando, ameaçando ou neutralizando as vozes incómodas? Não continuam os boys e as girls socialistas a banquetear-se com os tachos a granel que as mãos-largas do poder cor-de-rosa lhes reservam? Enfim – e afinal – não estão o povo e o país piores, em todos os sentido, incluindo o dos valores, muito pior agora do que estavam há quatro anos?

E mais: quando é que Portugal teve um primeiro-ministro envolvido em tantas situações comprovadamente ilícitas e indubitavelmente imorais, incompatíveis com o cargo e, principalmente, impossíveis de acontecer com alguém que faz do carácter, da dignidade e da ética as bandeiras da sua vida pública e privada? Não é Sócrates um exemplo chapado da mais pura charlatanice, pontapeando a verdade a torto e a direito? Quem é que, do cidadão comum, sendo lúcido, descomprometido e sério não gostaria de estampar estas verdades na cara sem vergonha do embusteiro que comanda o país? Eu, meus amigos, adorava fazê-lo.

Não quis ir por aí Jerónimo – como também não foram os outros líderes partidários – e creio que os especialistas e conselheiros de imagem lá saberão porquê. Uma coisa é certa: neste ciclo de debates, em nome do politicamente correcto e da imagem que se julga necessário transmitir para a opinião pública, foram todos muito iguais. O sentir – posso até dizer: a revolta – do povo esteve ausente. Não teve eco pela boca de ninguém. Resultado: milhões de portugueses – entre os quais eu – não ouviram dizer a Sócrates o que eles gostariam de lhe ter dito. Foi pena, pois essa desilusão pode levar muita gente a não se sentir identificada com o actual quadro partidário e, por consequência, a não votar, ou a votar branco ou nulo.

Mal esta ouvinte tinha expressado a sua opinião, logo interveio outra, insurgindo-se com o que ouvira. Que Jerónimo estivera como deveria ter estado, que não lhe ficaria bem ir para ali partir a loiça, dando, enfim, um ar de arruaça ao debate. Que não era aquele o lugar indicado para isso.

Quanto a mim, foram duas opiniões respeitáveis. Cada um de nós tem a sua visão das coisas e, naturalmente, enfeita as suas ideias com as palavras e as imagens que entender. Tudo está bem se, como é próprio em democracia (ou esta coisa a que chamamos democracia) cada um se limitar a expressar os seus pontos de vista. O que pode não estar totalmente bem é quando se entra no campo do ataque pessoal, absolutamente desnecessário, principalmente quando, como me pareceu ser o caso, as duas ouvintes gostariam de ver Sócrates derrotado e Jerónimo reforçado.

Guardem-se, então, energias para o inimigo comum. Quanto a mim, recordo que me limito a expressar aqui os meus pontos de vista, não me competindo mandar calar ninguém (como a primeira ouvinte pareceu pretender), coisa que ficaria mal em qualquer lado, principalmente na Rádio Baía, que tem, neste programa, um espaço aberto a quem quiser dizer, civilizadamente, o que muito bem entender.

Seria bom que todos tivéssemos aprendido com este episódio, não tendo medo de dizer o que pensamos, sabendo sempre ouvir o que os outros dizem, e sabendo concordar ou discordar sem entrar no campo do confronto pessoal mais ou menos agressivo, ou do insulto. Quanto ao resto, é da discussão que nasce a luz. E, pensando bem, é nestes momentos de maior calor que todos nos ficamos a conhecer melhor.

Mas vamos à vida. Depois dos debates a dois, com todos os intervenientes muito bem penteados e maquilhados, cheios de boas maneiras e sorrisos perfeitamente ensaiados e meramente de circunstância, a campanha está aí. Cumpra-se, então, a liturgia. Vá-se às urnas como os católicos vão a Fátima, ou os muçulmanos vão a Meca. Se alguém espera um milagre, desiluda-se. O povo ainda não percebeu – por preguiça, descrença, medo atávico ou pura indigência mental – que deve deixar-se de perigosas fidelidades partidárias ou simpatias pessoais (uma espécie de estúpida clubite em versão política) e correr com aqueles que, servindo-se do seu voto, se têm limitado a iludi-lo e a explorá-lo, década após década.

Há, então, que escolher novos rumos e deitar fora a quinquilharia política que por aí anda há mais de 30 anos a encher-se e a encher as arcas do grande capital, enquanto esvazia os bolsos de quem trabalha. E nisto, o PS é especialista.

Entretanto, eu falo no que se quer esconder: Por exemplo: Sócrates e o PS, 35 anos depois da ditadura, da Pide e da Censura, calaram o Jornal de Sexta, da TVI, e Eduardo Moniz e Moura Guedes foram eliminados. Bem podem chorar lágrimas de crocodilo e bradarem inocência, porque nem o mais néscio de entre os néscios (desde que não seja um socretino puro, é claro) é que acredita que o bando socialista nada teve a ver com o assunto.

Pode-se gostar ou odiar Manuela Moura Guedes, mas sem ela não se tinha sabido nem da missa a metade do caso Freeport, especialmente do DVD de Charles Smith, onde acusa Sócrates de corrupto, nem que havia um «Gordo», que por acaso também é primo de Sócrates, e que a PJ fotografou a sair de um balcão do BES com uma mala, depois de uma avultada verba ter sido enviada pelos homens de Londres. Sem Moura Guedes, a Justiça já tinha enterrado o caso, porque a magistrada Cândida Almeida, uma socialista dos quatro costados, não queria saber do DVD para nada e o Procurador-Geral da República até estava farto do caso «até aos olhos».

Na verdade, só há uma coisa que eu não percebo nesta altura. É a razão pela qual o Presidente da República se tem remetido a um misterioso silêncio sobre as trafulhices de Sócrates, e os lideres partidários do PSD, PCP, BE, CDS/PP e demais classe política não dizem, sem papas na língua, que um homem como Sócrates não pode estar à frente do governo de um país que se diz livre e democrático. Muito menos recandidatar-se ao cargo. Porque se calam todos?

Por isso, devemos nós, em 27 de Setembro, varrer o lixo. Sócrates, claro.

(João Carlos Pereira)


Crónica lida nas “Provocações” da Rádio Baía em 16/09/2009.
(Não deixe de ouvir em 98.7 Mhz e participar pelos telefones 212277046 ou 212277047 todas as quartas-feiras entre as 09H00 e as 10H00).

4 comentários:

TRABALHADOR DA CMS disse...

Calam-se todos porque também têm telhados de vidro. Não tantos como o Sócrates, mas mesmo assim ninguém está isento de culpas, uns mais do que outros, mas todos têm rabos de palha.
Até o PCP nalgumas autarquias tem muito que se lhe diga, como por exemplo no Seixal, onde a gestão tem sido desastrosa e o compadrio salta a olhos vistos, com prejuízo para os trabalhadores, que são preteridos em relação a outros que sem competência ocupam determinados lugares por confiança política.
Já era tempo do senhor João Carlos falar também do Seixal.
Sei que para si é difícil, mas como o considero um Homem de coragem, fico à espera.

Monte Cristo disse...

Percebo o desafio. A «provocação». Não tenho, contudo, o hábito de dançar ao som da música que me dão, principalmente se o músico me aparece de cara tapada.

Mas falando de generalidades, sempre lhe digo que a única leitura que faço do silêncio dos vários quadrantes sobre os podres de Sócrates, só pode resultar do facto de estarem todos a agarrarem-se pelos testículos. Do género: «Se apertas os meus, já sabes o que acontece aos teus...»

É pena, mas é assim. Anda a ficar tudo muito igual. Na verdade, os «tachos» (o conforto do poder, os seus estofos, os seus almoços grátis) acabam por esmagar os princípios, os ideais, os valores.

Jerónimo precisa de agarrar numa vassoura e limpar a casa, deixando ficar os comunistas e atirando para o lixo os que se limitam a fazer o frete ao Partido, enquanto isso lhes der protagonismo, boas reformas (e cedo), bom património, e boas perspectivas de cargos futuros. Uma retirada de ouro. De boa vida, em suma, enquanto o povo se lixa.

Para além de que enche tanto o ego ser-se o senhor presidente...

J.S. Teixeira disse...

A hipocrisia do Sr. Paulo Edson Cunha, candidato do PSD à Câmara Municipal parece não ter fim. PSD polui a Baía que jurou ir limpar. Vejam no blogue O Flamingo.

J.S. Teixeira disse...

Mais provas de que o PSD Seixal vive da hipocrisia e populismo relativamente ao ambiente. Vejam no blogue O Flamingo.